quinta-feira, 5 de junho de 2008

Internet, um novo continente a evangelizar

10 anos após os primeiros sites católicos, o objectivo para a Igreja não é de somente estar presente na web, mas de responder à sede de espiritualidade que lá se exprime. A Internet oferece um conjunto de instrumentos para transmitir uma experiência cristã. (…)



De uma ponte à outra da web, os internautas, crentes ou não, colocaram no universo virtual perguntas existenciais e interrogações espirituais. Assim, em 2007, nos Estados Unidos, a pergunta mais vezes feita no Google foi: “Quem é Deus?” Uma sede espiritual de que a Igreja Católica toma cada vez mais consciência. Na Itália, um cardeal estimulava recentemente as religiosas a debater nos “fóruns”, enquanto o jesuíta António Spadaro exortava os católicos a serem missionários virtuais no "Second Life".
No entanto, quando se escreve “Deus” no Google, é preciso ir à segunda página para ver aparecer o primeiro site católico. Se a Internet é de facto um território, como o descrevem os especialistas da blogosfera, não significa por isso plantar lá uma cruz para evangelizar.
Cativar o internauta exige um bom conhecimento das capacidades da web para reter o interesse. Todavia, os sites católicos têm a tendência de funcionar em rede mais ou menos fechada. (…)

Poderá o mundo virtual corresponder realmente aos internautas na sua interioridade? Sim, responde o dominicano Yves Bériault que, já há 13 anos, oferece um serviço de acompanhamento espiritual no site "Spiritualité2000". «Encontrei muito alimento espiritual no seu site. Foi a minha igreja virtual», escreveu-lhe recentemente uma internauta da Tunísia. Este religioso do Quebec recebe perto de 350 pedidos de acompanhamento virtual por ano, um em cada dez vindo de uma pessoa que não acredita.
«Uma vez, recebi um mail de injúrias. Apesar disso, respondi com um “Feliz Natal” e encorajei a dirigir-se ao Deus que ele mandava para…» Dois dias depois, o padre Beriault recebia um pedido de desculpas e iniciou uma correspondência com um casal em sofrimento que tinha «a impressão que Deus os tinha abandonado». «A Internet é como uma catedral, concluiu. Encontra-se visitantes, simples turistas, pessoas à procura, outras que pensam no suicídio, insultam…» Um lugar público que o anonimato próprio da Internet oferece a cada um a liberdade de fazer perguntas muito pessoais.
«Para mim, é mais um instrumento de “pré-evangelização”, afirma a irmã Catherine Sesboué. A Internet permite fazer cair muitas ideias feitas ou de cólera contra a Igreja.» «É uma porta aberta para a Igreja, acrescenta Mathilde Henry. Trata-se de lhe dar um rosto acolhedor, aberto, caloroso, que dá vontade de entrar.» Mas a Internet não se basta a si mesma. É necessário propor ao internauta um grupo que o sabe acolher: « A evangelização é comunitária e deve reenviar para o terreno.»


Artigo do Jornal “La Croix”

7 comentários:

Maria João disse...

Há que evangelizar e também na Internet... Através da Net conseguimos passar a mensagem de Cristo a muitas pessoas que estão a precisar dela...

Que o Espírito Santo nos ilumine neste novo meio de falar de Cristo e de levar Cristo aos outros!

beijos em Cristo e Maria

joaquim disse...

Tenho tido experiências de alguns contactos por mail que se têm revelado por vezes muito importantes, não só para aqueles que contactam, mas também para mim, pois me levam a uma maior entrega, oração e procura de discernimento no Espírito Santo.

Também tenho tido alguns "mauzinhos", mas que acabam por desistir ou então mudar de atitude.

Deus faz as coisas muito bem feitas, nós é que nem sempre somos bens executantes.

Abraço amigo em Cristo

sedente disse...

"Todavia, os sites (também os blogues) católicos têm a tendência de funcionar em rede mais ou menos fechada."
Se calhar o maior desafio é conseguir sair do nosso círculo de "cristãos" e chegar a todos.
Despertar interesse aos que procuram algo mais nos nossos blogues e abrir-nos ao universo internauta.
Anunciar...
abrç+

osátiro disse...

Continuemos a rezar pelos quatro Cristãos Argelinos condenados por abandonar o Islamismo:
http://www.oecumene.radiovaticana.org/BRA/Articolo.asp?c=209570

joaquim disse...

Caro amigo "sedente"

Absolutamente de acordo, mas como?

Talvez fosse interessante reflectir sobre como estes espaços poderão ser "chamativos" para outros que ainda não crêem ou já não crêem.

De qualquer modo como disse acima, volta e meia, sou agradavelmente surpreendido por alguns mails que me questionam e pedem ajuda, o que na minha pobreza espiritual tento fazer.

A questão está lançada: como fazer?

Abraço amigo em Cristo

Paulo disse...

Como tudo na vida, a internet tem coisas boas e coisas menos boas.

dandarta disse...

Olá "Teófilo"...

Estou visitando seu site pela primeira vez e gostei do que vi... ultimamente tenho procurado blogs católicos e geralmente encontro links católicos muito específicos de algum movimento ou pastoral, ou no caso de blogs, muito superficiais, apenas mostrando lindos gifs animados e mensagens bonitinhas... Mas vejo que é necessário mais. Assim como a "Urbi et Orbi" a internet precisa ir além...evangelizar acima de tudo os nao católicos... se inserir nos meios de blogueiros, comunidades virtuais, não apenas com mensagens bonitinhas, mas com postura cristã.
Enfim, gostei muito do seu blog. e vou acompanhá-lo desde São Paulo!
Abraços Fraternos,